Archive for the 'Livro' Category

Hábito da Leitura

Esse post foi motivado por um trabalho no Curso de Ciências Sociais na UFPA que estou fazendo. O solicitado pela professora foi: “Faça um texto da sua relação com a leitura e os livros”. Sendo assim segue abaixo o meu texto:

Quando eu era criança, bem criança mesmo, na fase pós-alfabetização tinha muitos colegas que liam, e a maioria deles lia clássicos infanto-juvenis, principalmente da Série Vagalume, como O Escaravelho do Diabo, O Mistério do Cinco Estrelas, O Rapto do Garoto de Ouro, entre outros.
Comecei então a ler os livros da série, mas eu os lia muito rápido, o que foi fazendo com que emprestasse da Biblioteca dos Colégios por onde passei novos livros sempre que podia.
Além disso, outro fato importante na criação do meu hábito de leitura foram meus pais. Sempre via minha mãe lendo livros, em sua maioria romances, e meu pai fazendo muitas cartilhas de palavras cruzadas e lendo vorazmente vários livros, e isso despertava em mim a curiosidade sobre o motivo dele gostar tanto desses dois hobbys. Comecei então a tentar fazer as tais palavras cruzadas, e como eram muito difíceis, eu percebi que precisava aumentar meu repertório de conhecimento, precisava então obviamente ler mais.
Comecei a ler os livros que ele comprava, que em sua maioria eram livros de terror e suspense, de autores como Stephen King, Agatha Christie, Conan Doyle, entre outros. Os livros não eram difíceis, pois eu já possuía o hábito da leitura, porém eram densos, o que me encantava, principalmente os que possuíam finais surpreendentes.
Um outro fato bem importante é que por viver uma vida em geral bem pacata e sem muitas coisas interessantes eu acabava por “escapar” em meio aos livros e suas histórias fascinantes. Mas o ponto que eu considero bem crucial na criação do hábito e na paixão pela leitura foi quando descobri o livro O Homem que Calculava de Malba Tahan. Este exemplar fez com que eu me apaixonasse perdidamente por livros. Lembro de lê-lo em poucos dias e não queria fazer praticamente mais nada até terminá-lo. A partir daquele ponto, comecei a ler praticamente todos os livros que haviam em casa, e continuei a emprestar vários outros nas Bibliotecas dos Colégios que estudava. E até hoje mantenho o hábito da leitura. Desde que comecei o curso de Ciências Sociais na UFPA não tenho tido muito tempo para leitura recreativa pois em geral temos as obras indicadas pelos professores que nos tomam muito tempo, mas mesmo essas obras têm sido muito interessantes e prazerosas.
Acredito ser importante citar que tanto ao ver colegas quando era criança, ou observar meus pais lendo, talvez isso tenha sido o catalisador que despertou a minha curiosidade e vontade de ler. E após descobrir esse “mundo novo” não parei mais. Tanto meus colegas como meus pais serviram então de exemplos. Esse fato é importante de ser citado pois é justamente isso que eu e a mãe do meu filho tentamos fazer com ele: sermos exemplos e incentivarmos assim nele o hábito da leitura. Desde que ele era um bebê já comprávamos livros de borracha para a hora do banho e pequenos livros para serem lidos quando ninávamos ele. Ao longo do tempo novos livros foram sendo inseridos na rotina, como pequenas histórias em um só livro, e volumes maiores, e hoje nosso filho adora ler. Por enquanto a leitura dele está em um universo de mangás, leituras de ficção como Harry Potter, Senhor dos Anéis, Hobbit, Diário de Um Banana, Minecraft entre outros, mas o importante é que ele leia, que as crianças leiam, pois só assim teremos uma geração melhor preparada para toda essa Era da Informação, onde temos muitas informações e quase nenhum filtro, onde é fácil ler a manchete de uma notícia e compartilhar sem ao menos ler o conteúdo.

Livro – Opinião: Meu Pai Fala Cada M****

Comprei esse livro para tentar bater minha meta de comprar o máximo de livros esse ano.

Entrei um dia na FOX em Belém junto com minha namorada para alugarmos um filme e eis que vejo esse título, não resisti e comprei juntamente com outro que estou lendo nesse momento (A Conspiração Franciscana).

É uma leitura rápida e gostosa pois reúne histórias engraçadas sobre o pai de Justin Halpern e suas “filosofias” de vida. Uma que eu achei muito engraçada é:

“Aquela mulher era sexy… Muita areia para o seu caminhãozinho? Filho, deixe que as mulheres descubram por que não querem transar com você. Não faça isso por elas.”

O livro surgiu basicamente depois que Justin criou uma conta no twitter (@shitmydadsays) e fazer muito sucesso, com mais de 3 milhoes de seguidores e além disso sendo convidado adaptar as engraçadas histórias do livro para uma série de TV.
O livro mostra questões realmente sérias da vida porém de forma bem leve e bem-humorada. Gostei muito da leitura e recomento.

É isso!

Livro – Opinião: Coração de Pai

No final de Outubro meu filho faz aniversário e infelizmente esse ano eu não pude estar ao lado dele no dia em que completou cinco anos. Primeiro aniversário longe e para piorar a situação ele teve pneumonia.

Obviamente foram dias muito complicados para mim. E foi comm com esse sentimento de saudade que ao ir em uma livraria eu resolvi comprar dois livros que falam da relação entre pai e filho além de um filme com o mesmo tema.

Os livros são: Coração de Pai de José Ruy Gandra e O Filho Eterno de Cristóvão Tezza, e o filme é Os Garotos Estão de Volta.

Ver o filme foi triste e emocionante pois trata de uma adaptação de história real vivida pelo jornalista Simon Carr. Um repórter inglês que morava na Austrália quando perdeu a segunda esposa e o filho tinha tinha poucos anos de vida. Além de se ver em uma situação onde agora tinha que tomar conta de um garotinho sozinho, seu filho pré-adolescente que morava com a mãe (primeira esposa) na Inglaterra resolve vir morar com ele. Achei o filme excelente, até por ser baseado em fatos reais. Chorei, não nego, me emocionei de fato.

Mas o post é para falar de Coração de Pai do Zé Ruy Gandra. Esse livro eu encontrei ao entrar nos sites de revistas sobre pais e filhos como Crescer por exemplo.

Li o livro muito rápido pois ele é uma junção de várias histórias de Zé com seu filho mais novo, nas fases criança e pré-adolescente, filho esse fruto do segundo casamento e o mais velho, nas fases adolescente e adulto. O livro trata de forma simples e emocionante os aspectos relacionados a criação dos filhos e é tocante até mesmo por tratar de algo extremamente atual que é a relação de um pai separado com seu filho. Me emocionei e chorei em algumas histórias, mas principalmente ri bastante pois o autor trata com leveza de vários temas que são de muito interesse para os pais. Não é um aprofundamento da relação entre pai e filhos, pelo contrário, como dito anteriormente é uma leitura leve, mas tocante! Adorei o livro e pretendo reler outras vezes.

Uma das histórias fala sobre o que esperar da vida quando os filhos crescem, e acho que nesse ponto a citação de Zé Ruy é perfeita, ele diz:

‘Hoje encontro conforto nos versos do poeta libanês Kahlil Gibran, que sintetizou primorosamente a inutilidade das expectativas paternas:
“Você podem abrigar seus corpos, mas não suas almas, pois suas almas vivem na casa do amanhã, que vocês não podem visitar, nem mesmo em seus sonhos…”‘.

É isso.

Livro – Opinião: Agosto

Eu lembro que nunca fui bom em ciências humanas nos meus primeiros anos na escola. Na verdade só vim a gostar de história no antigo segundo-grau (Ensino médio). E comecei a me dar bem em tal matéria porque comecei a ler as “histórias” transformando-as em “estórias”, ou seja, eu sempre tentava dramatizar ou imaginar como teriam sido as guerras ou períodos que estava estudando, e assim então comecei a ter boas notas.

Bom, mas tudo isso é para elogiar o ótimo livro Agosto de Rubem Fonseca (lembrando sempre que essa é MINHA modesta opinião).

Agosto retrata o mês em que Getúlio Vargas suicidou-se entrelaçando realidade e ficção através do personagem Mattos, um delegado que é um herói atípico, é honesto mas ao mesmo tempo tem atitudes que podem ser consideradas fora do padrão do senso comum, do politicamente correto.
Com esse personagem Rubem faz um paralelismo para contrar a

É um livro que não demorei a ler e para variar li mais ou menos metade durante um vôo entre Curitiba e Belém!

Li e gostei da narrativa de Rubem Fonseca, com certeza irei procurar mais livros dele para ler.

É isso!

Livro – Opinião: Caim

Eu nunca tinha lido José Saramago, na verdade nem conhecia muito da sua obra, mas por indicação de muita gente e também por um certo modismo atual em torno do nome dele resolvi comprar Caim. Minha sorte é que próximo ao meu trabalho existe um sebo, e eis que belo dia passando pelo mesmo eu vejo Caim (usado mas em ótimas condições) por um preço muito bom. Não tive dúvidas e comprei.

Caim é uma leitura complicada, não é português coloquial, acredito que até a tradução para quem a fez não deve ter sido fácil, mas apesar de tudo isso na minha opinião é um livro MUITO bom (caso você não seja católico ou evangélico FERVOROSO). Explico, nesse livro Saramago conta histórias bíblicas com seu olhar pessoal e criticando claramente as histórias presentes nos textos sagrados, na verdade criticando essa fé cega em Deus que muitas pessoas tem.

As histórias são entrelaçadas de forma totalmente ficcional, não é um texto baseado em fatos reais, mas única e exclusivamente na visão do autor, que desejou dar o rumo que bem entendesse a sua obra.

Bem, eu li o livro em duas viagens de avião (tem se tornado comum eu começar e terminar livros durante as viagens), não é uma leitura demorada e eu apreciei muito. Espero em breve ter tempo para verificar outros títulos de Saramago.

É isso.