Archive for the 'Estudos' Category

Hábito da Leitura

Esse post foi motivado por um trabalho no Curso de Ciências Sociais na UFPA que estou fazendo. O solicitado pela professora foi: “Faça um texto da sua relação com a leitura e os livros”. Sendo assim segue abaixo o meu texto:

Quando eu era criança, bem criança mesmo, na fase pós-alfabetização tinha muitos colegas que liam, e a maioria deles lia clássicos infanto-juvenis, principalmente da Série Vagalume, como O Escaravelho do Diabo, O Mistério do Cinco Estrelas, O Rapto do Garoto de Ouro, entre outros.
Comecei então a ler os livros da série, mas eu os lia muito rápido, o que foi fazendo com que emprestasse da Biblioteca dos Colégios por onde passei novos livros sempre que podia.
Além disso, outro fato importante na criação do meu hábito de leitura foram meus pais. Sempre via minha mãe lendo livros, em sua maioria romances, e meu pai fazendo muitas cartilhas de palavras cruzadas e lendo vorazmente vários livros, e isso despertava em mim a curiosidade sobre o motivo dele gostar tanto desses dois hobbys. Comecei então a tentar fazer as tais palavras cruzadas, e como eram muito difíceis, eu percebi que precisava aumentar meu repertório de conhecimento, precisava então obviamente ler mais.
Comecei a ler os livros que ele comprava, que em sua maioria eram livros de terror e suspense, de autores como Stephen King, Agatha Christie, Conan Doyle, entre outros. Os livros não eram difíceis, pois eu já possuía o hábito da leitura, porém eram densos, o que me encantava, principalmente os que possuíam finais surpreendentes.
Um outro fato bem importante é que por viver uma vida em geral bem pacata e sem muitas coisas interessantes eu acabava por “escapar” em meio aos livros e suas histórias fascinantes. Mas o ponto que eu considero bem crucial na criação do hábito e na paixão pela leitura foi quando descobri o livro O Homem que Calculava de Malba Tahan. Este exemplar fez com que eu me apaixonasse perdidamente por livros. Lembro de lê-lo em poucos dias e não queria fazer praticamente mais nada até terminá-lo. A partir daquele ponto, comecei a ler praticamente todos os livros que haviam em casa, e continuei a emprestar vários outros nas Bibliotecas dos Colégios que estudava. E até hoje mantenho o hábito da leitura. Desde que comecei o curso de Ciências Sociais na UFPA não tenho tido muito tempo para leitura recreativa pois em geral temos as obras indicadas pelos professores que nos tomam muito tempo, mas mesmo essas obras têm sido muito interessantes e prazerosas.
Acredito ser importante citar que tanto ao ver colegas quando era criança, ou observar meus pais lendo, talvez isso tenha sido o catalisador que despertou a minha curiosidade e vontade de ler. E após descobrir esse “mundo novo” não parei mais. Tanto meus colegas como meus pais serviram então de exemplos. Esse fato é importante de ser citado pois é justamente isso que eu e a mãe do meu filho tentamos fazer com ele: sermos exemplos e incentivarmos assim nele o hábito da leitura. Desde que ele era um bebê já comprávamos livros de borracha para a hora do banho e pequenos livros para serem lidos quando ninávamos ele. Ao longo do tempo novos livros foram sendo inseridos na rotina, como pequenas histórias em um só livro, e volumes maiores, e hoje nosso filho adora ler. Por enquanto a leitura dele está em um universo de mangás, leituras de ficção como Harry Potter, Senhor dos Anéis, Hobbit, Diário de Um Banana, Minecraft entre outros, mas o importante é que ele leia, que as crianças leiam, pois só assim teremos uma geração melhor preparada para toda essa Era da Informação, onde temos muitas informações e quase nenhum filtro, onde é fácil ler a manchete de uma notícia e compartilhar sem ao menos ler o conteúdo.

Questão de Engenharia de Software – Conceitos

Hoje ao resolver algumas questões sobre Engenharia de Software me deparei com a seguinte questão da prova da CGU em 2008:

43. A Engenharia de Software é uma disciplina da engenharia que se ocupa de todos os aspectos da produção de software, desde os estágios iniciais de especificação do sistema até a manutenção do mesmo. A Engenharia de Software adota métodos de engenharia de software que:
A) são um conjunto de atividades, cuja meta é o desenvolvimento ou a evolução do software.
B) são uma representação simplificada de um processo de software, apresentada a partir de uma perspectiva específica.
C) são abordagens de estruturadas para o desenvolvimento de software, que incluem modelos de sistemas,
notações, regras, recomendações de projetos e diretrizes de processos
D) se ocupam da teoria e dos fundamentos de desenvolvimento de software.
E) se ocupam de todos os aspectos relacionados ao desenvolvimento de sistemas com base em computadores,
incluindo hardware, software e engenharia de processos.

Eu errei a questão por não me preocupar muito em lembrar dos conceitos iniciais de Engenharia de Software, então vamos a eles:
– Engenharia de Sistemas: diz respeito aos aspectos do desenvolvimento e da evolução de sistemas complexos, nos quais o software desempenha um papel importante.
– Engenharia de Software: é a disciplica relacionada a produção de software.
– Software: são os programas de computador e a documentação associada.
– Processo de Software: é um conjunto de atividades, cuja meta é o desenvolvimento ou a evolução do software.
– Modelo de Processo de Software: é uma representação simplificada de um processo de software, apresentada a partir de uma perspectiva específica.
– Métodos de Engenharia de Software: são abordagens estruturadas para o desenvolvimento de software, que incluem modelos de sistemas, notações, regras, recomendações de projetos e diretrizes de processos.

Agora fica fácil. Gabarito é a letra C.

É isso!

Mnemônicos – ITILv3

Bom, após finalizado o primeiro ciclo de estudos sobre ITIL desenvolvi alguns “mnemônicos” para gravar os processos. Lembrando que algumas questões de concurso são facilmente resolvidas somente sabendo o nome do processo e em qual estágio ele está inserido. Então vamos lá!

Estágios ou livros do ciclo de vida:

EDTOM (Estratégia, Desenho, Transição, Operação e Melhoria Contínua)

Obs.: Estratégia está bem no centro do ciclo de vida, é ele quem define estratégias da organização, está em um nível mais alto. O Desenho refina os requisitos de negócio em relação aos serviços de TI. A Transição é tático/operacional colocando os serviços em produção. A Operação é onde realmente nota-se a entrega de valor, que no ITIL se constitui em utilidade + garantia, pois é na operação, no dia a dia da empresa que percebe-se a qualidade dos serviços. Já a Melhoria Contínua atua em todos os estágios buscando sempre a máxima qualidade nos serviços de TI da organização.

– Estratégia do Serviço (Service Strategy):

Est Port Dem Fin (Geração da estratégia, Gerenciamento de Portfólio, Gerenciamento de Demandas e Gerenciamento Financeiro).

– Desenho do Serviço (Service Design):

Cata Nível SI For CDC (Gerenciamento do Catálogo de Serviços, Gerenciamento de Nível de Serviço, Gerenciamento de Segurança da Informação, Gerenciamento de Fornecedores, Gerenciamento de Capacidade, Gerenciamento de Disponibilidade e Gerenciamento de Continuidade).

– Transição do Serviço (Service Transition):

Obs.: Não tem mnemônico hehe, eu decorei os processos

Gerenciamento de Mudanças, Gerenciamento de Configuração, Gerenciamento de Liberação, Validação, Avaliação e Testes, Gestão do Conhecimento, Planejamento e Suporte de Transição)

– Operação do Serviço (Service Operation):

In Eve CumPro Acesso – A INEVE CUMPROU (e não “comprou”) o ACESSO dela. (Gerenciamento de Incidentes, Gerenciamento de Eventos, Cumprimento de Requisições, Gerenciamento de Problemas, Gerenciamento de Acesso).

No Service Operation temos as funções do ITIL (JAMAIS confundir com processos):
SEDE GATO (Service Desk, Gerenciamento de Aplicativos, Gerenciamento Técnico e Gerenciamento de Operações).

– Melhoria Conítua do Serviço (Continual Service Improvement):

7 Mensura R (Melhoria em 7 passos, Mensuração de Serviços e Relatório de Serviços)

É isso! Esses mnemônicos criei para mim, mas se servir para alguém ótimo, de qualquer forma o ideal é sempre tentar algo que você consiga decorar e gravar, infelizmente a decoreba é presente em vários concursos e não tem como fugir!

Resumo ITIL v3 – Parte 1

E este é o resumo do começo dos meus estudos em ITIL. Lembrando que essa é uma visão baseada em anotações e nas vídeo-aulas pelas quais tenho estudado, então as informações podem (espero que não, rs) estar erradas ou incompletas.

O ITIL (Information Technology Infrastructure Library) é um framework que foca no gerenciamento de serviços de TI.

Aqui cabe a definição de serviço (irei utilizar a definição que existe no glossário do ITIL e depois a minha):

– Serviço (ITIL): Um MEIO de fornecer algo que um cliente perceba como tendo certo VALOR, facilitando a obtenção de resultados que os clientes desejam, SEM que eles tenham que arcar com a propriedade de determinados custos e riscos.

– Serviço (Própria e bem-humorada): “Dá teu jeito de me entregar algo que me traga dinheiro e eu não quero me preocupar como você vai fazer isso” (cliente falando).

As palavras-chave são MEIO e VALOR, o que remete ao próprio conceito do ITIL de ser um GUIA DE MELHORES PRÁTICAS, e não uma metodologia (este é compartilhado com o Cobit por exemplo, ambos não são metodologia), ou seja, o ITIL não é um passo-a-passo e sim um guia, ele pode ser adotado e DEVE ser adaptado a realidade do cliente. Há uma frase inclusive referente a isso: “Na ITIL TUDO pode, NADA deve”.

Os Desafios da TI segundo ITIL:
– Alinhar os serviços de TI com as necessidades de negócio (ponto comum em TODOS os frameworks e ferramentas de governanção de TI).
– Gerenciar a complexidade dos diversos ambientes de TI. (Ponto em comum com o Cobit)
– Através da TI gerar resultados para o negócio (ROI – Retorno sobre Investimento).
– Melhorar a qualidade e redução de custos da prestação de serviços no longo prazo.

Soluções segundo a ITIL:
– Compreender as necessidades do negócio. (Ponto que pode parecer óbvio mas precisa ser explicitado pois se um desafio é alinhar a TI com o negócio uma das soluções é a compreensão máximo deste negócio)
– Se relacionar DIRETAMENTE com as áreas do negócio.
– MEDIR a contribuição da TI ao negócio. (Em geral TODAS as ferramentas de governanção possuem tal ponto em comum, pois é necessário mensurar o quanto a TI está conseguindo atingir os resultados esperados)
– Prover SERVIÇOS da TI para a organização. (Palavra-chave: SERVIÇOS)
– Manter os serviços estáveis e confiáveis.
– Orientar a organização por processos (são 26 processos na ITIL).

Resumo Cobit – Parte 1

Bom, nos meus estudos tenho feito algumas anotações e resolvi criar posts no blog com os resumos para poder tanto consultar como tentar colocar em palavras já praticando o assunto estudado.

O Cobit (Control Objectives for Information and Related Technology) é uma ferramenta que surgiu em meados da década de 90, mais especificamente em 1994 como ferramenta para auditoria de TI, depois crescendo e se tornando ferramenta de governança de TI. Ele é um framework integrador, ou seja possui dentro dele vários tópicos que são abordados em comum com outros frameworks como ITIL, CMMM e PmBOK.

Possui como características, ser focado no negócio (como todas as ferramentas de governança de TI), ter como base processos (34 ao todo dividido em 4 áreas), uma estrutura de controles de objetivos e uso de métricas e metodologias de maturidade.

O Cobit não é uma METODOLOGIA, pois ele não mostra como atingir os resultados mas sim o que precisa ser feito para atingi-los.

Dentre os desafios do Cobit encontram-se:
– Alinhamento do negócio com a TI: ponto de certa forma óbvio mas que ainda é um desafio no cenário de TI, pois muitas vezes a área entrega algo diferente do solicitado por N motivos.

– Manter TI funcionando

– Entregar valor ao cliente

– Gerenciar os custos e a complexidade de TI: como a área sofre evoluções constantes é preciso gerenciar os diversos ambientes e problemas que podem surgir em termos de integração.

– Manter a segurança de TI: ponto comum com vários outros frameworks.

– Cumprir leis e normas: ponto importante pois é um desafio que pertence somente ao Cobit.

É isso, conforme eu for estudando em breve tem mais!